sábado, 6 de agosto de 2016

Provérbios #14

1.A ave de rapina não canta.
2. Antes caia do cú do que do alforge.
3.Azeite de cima, mel do fundo e vinho do meio.
4.Barriga cheia, companhia desfeita.
5.Dádiva de ruim, a seu dono se parece.
6.Em Janeiro saltinho de carneiro.
7.Filhos das minhas filhas, meus netos são. Filhos dos meus filhos serão ou não.
8.Queira ou não queira, o burro há-de ir à feira.
9.Quem espera, desespera.
10.Quem sabe do barco é o barqueiro.
11.Saber esperar é uma grande virtude.
12.Não há mal que sempre dure nem bem que não se acabe.
13.No poupar é que está o ganho.
14.O hábito não faz o monge.
15.Outubro suão, negaças de Verão.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Provérbios #13


  1. Os amigos são para as ocasiões.
  2. Tantas vezes vai o cântaro à fonte que um dia lá fica a asa.
  3. Tudo em Novembro guardado; em casa ou arrecadado.
  4. Uns comem os figos, a outros rebentam-lhe os lábios.
  5. Para baixo todos os Santos ajudam.
  6. Pau deitado não chama trovoada.
  7. Polidez, pouco custa e muito vale.
  8. Primeiro de Agosto, primeiro de Inverno.
  9. Galinha gorda ao maltês, ou podre, ou choca de um mês.
  10. Macaco velho, não trepa galho seco.
  11. Mais vale prevenir, que remediar.
  12. Manda e faz: servido serás.
  13. Morte desejada, é vida dobrada.
  14. Mulher sardenta, mulher rabugenta.
  15. A chuva de S. João, bebe o Vinho e come o Pão.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Proverbios #12


  1. Quem tem calos, não se mete em apertos.
  2. Quem vai para a cama sem ceia, toda a noite rabeia.
  3. Vindima molhada, pipa depressa despejada.
  4. Sê em Agosto cuidadoso e aguilhoa o preguiçoso.
  5. Na casa cheia, depressa se faz a ceia.
  6. Não é por muito madrugar que amanhece mais cedo.
  7. Não há mal que bem não traga.
  8. Não se fazem omeletes sem partir ovos.
  9. Nem sempre, nem nunca.
  10. No dia de S. Lourenço vai à vinha e enche o lenço.
  11. Norte frio, água no rio.
  12. O alheio chora o seu dono.
  13. O mal e o bem à face vem.
  14. O que não mata, engorda.
  15. O tempo perdido nunca se recupera.